Um estudo desenvolvido por integrantes do Grupo de Pesquisas em Atividades Aquáticas e Terrestres (GPAT-UFRGS), liderado pelo professor Dr. Luiz Fernando Martins Kruel, que contou com o apoio do Safergs e da FGF, foi publicado neste mês pela revista científica italiana The Journal of Sports Medicine and Physical Fitness. Com o objetivo de comparar as demandas físicas e fisiológicas dos árbitros de futebol durante testes físicos e jogos profissionais, os pesquisadores concluíram que os árbitros de elite atuam com maior intensidade durante os testes físicos do que nas partidas.

O monitoramento foi feito durante avaliações físicas e jogos do Campeonato Gaúcho 2020 e sugere que os árbitros devem se preparar de forma específica para passar no teste físico. Tal preparação também poderá auxiliar na realização de estímulos intensos durante os jogos. Além disso, é recomendado que os árbitros, após o teste físico, ajustem o treinamento para contemplar as demandas de menor intensidade que também irão ocorrer nos jogos.

A partir do estudo, os pesquisadores do GPAT-UFRGS esperam agora que os dados obtidos agreguem na preparação e formação de árbitros.

Método

O estudo avaliou a frequência cardíaca, a distância percorrida, o tempo e a velocidade de 14 árbitros durante o teste físico e jogos do Campeonato Gaúcho 2020. Para a obtenção dos dados, foi utilizado um monitor de frequência cardíaca habilitado para GPS e essas medidas foram comparadas entre o teste físico e os jogos.