SAFERGS

Presidente

Aos 64 anos o ex-árbitro assistente Carlos Castro assumiu a presidência do SAFERGS no dia 27 de dezembro de 2013, com a missão de preparar categoria para os novos tempos que se anunciam no mundo do apito, a partir da regulamentação da profissão de Ábitro de futebol.  Credenciais para realizar um bom trabalho neste período de transição não lhe faltam.

castro_03Boas companhias – Depois de atuar no futebol de salão, Castro iniciou na arbitragem de futebol tardiamente, com 37 anos, apitando competições do futebol amador, tendo feito o curso do Departamento de Árbitros da Capital. Em 1990 fez o curso da Federação Gaúcha de Futebol. Nos nove anos seguintes orgulha-se de ter trabalhado como Árbitro assistente em todos os clássicos do futebol gaúcho, auxiliando nomes consagrados como Carlos Martins, Renato Marsiglia, Carlos Simon, Leonardo Gaciba e Leandro Vuaden, todos do quadro FIFA.

Experiência administrativa – Castro deixou de percorrer as laterais dos gramados em 1999 e em 2001 entrou para o Sindicato como tesoureiro na chapa liderada por José Mocellin, cargo ao qual renunciou para ingressar no quadro funcional do SAFERGS como secretário. Nesta condição, vivenciou como poucos o funcionamento da estrutura administrativa do Sindicato, bem como adquiriu conhecimento excepcional sobre as questões trabalhistas e institucionais relativas ao ofício da arbitragem de futebol.

Categoria unida –
Sobre a atividade sindical, Castro considera o sindicalismo  uma estrada de duas mãos. “Nos propomos coisas para a categoria e ela também deve apresentar propostas para a diretoria encaminhar. A arbitragem brasileira tem nas mãos um canhão potente, que é o reconhecimento profissional. Mas ele só vai propiciar mudanças para melhor se tiver através de si a união da categoria, para que a diretoria tenha condições de trabalhar pelo bem de todos. Se não houver coesão dos associados na retaguarda este canhão estará sem municação”, pontifica o atual presidente do SAFERGS.

Hora certa –
Considerando tudo isto, bem como o tempo de mudança que brilha no horizonte do apito e das bandeiras, pode-se dizer que Carlos Castro é o homem certo, no lugar certo e na hora certa para conduzir a categoria a um bom porto nesta travessia. Carlos Castro é divorciado, tem quatro filhos e quatro netos.