SAFERGS

História

 

A construção do SAFERGS

1_presidente
Leonel Pandolfo, presidiu a diretoria provisória do SAFERGS, em 1985. Antes disso, integrava a diretoria da então Associação Gaúcha dos Árbitros (AGA), que antecedeu ao Sindicato. A gestão do presidente Pandolfo organizou e conduziu todo o processo das primeiras eleições do SAFERGS, realizadas em 1986.

 

ingorn_
Ingor Kronbauer, primeiro presidente eleito pelo voto direto, em 1985. Sua gestão, encerrada em 1987, ficou marcada pela mobilização em defesa da melhoria das condições de trabalho da arbitagem gaúcha e brasileira. No dia 6 de novembro de 1985, o jornal Zero Hora mancheteou: “Greve dos árbitros pára o gauchão”. Foi uma rodada no meio da semana sem apito, apesar da pressão da Federação Gaúcha de Futebol, na época presidida por Rubens Freire Hofmeister, que tentou em vão buscar árbitros fora do estado. O movimento reivindicava, entre outros pontos, reajuste nas taxas, medidas contra a violência nos campos e valorização profissional. “Conquistamos reajuste, reconhecimento, o apoio do mundo da bola e da população”, assinala o ex-presidente.

memoria_presidente_3

Geraldo Zimmer, presidente eleito pelo voto direto, comandou a gestão 1988/1991. Segundo ele, um fato marcante de sua gestão foi a ocorrência de uma paralisação reivindicando melhorias salariais, conquistadas após a não realização de uma rodada do Campeonato Gaúcho. O ex-árbitro Leonardo Gaciba foi um dos seus alunos no curso de arbitragem.

 

 

gregianin_memoriaAntônio Gregianin, presidiu o SAFERGS de 1991 a 1993. Sua gestão ficou marcada por uma intensa luta em defesa da independência do Sindicato e pela qualificação profissional da arbitragem. “Na nossa época a inflação vivia em disparada. Lutamos muito para que o reajuste nas taxas acompanhasse essa realidade”, afirmou o ex-presidente. Além da luta econômica, ele destaca o movimento pelo ampliação do mercado de trabalho, com convênios com prefeituras do Interior, estruturação de cursos de formação pelo próprio SAFERGS que, até então, eram ministrados pela Federação Gaúcha de Futebol. “Também investimos muito em equipamentos e melhorias no Sindicato, inclusive, inauguramos uma poupança que mais tarde contribuiu para a aquisição da sede própria”. E valeu a pena? “Sim. Lutamos e conquistamos nossa independência em muitos pontos. Me sinto orgulhoso pelas coisas que fizemos e mais ainda ao verificar que nossas conquistas se mantém e que novos companheiros estão dando continuidade à luta dos árbitros gaúchos”, diz Gregianin.


flavio_pinheiroFlávio Pinheiro de Abreu, considera o fato mais marcante da sua gestão à frente do SAFERGS (1994/1997) a compra da sede própria da entidade em 1995. “Entendíamos que o Sindicato necessitava de uma sede no centro da cidade, próxima à Federação e de fácil acesso para os associados. Foi uma excelente aquisição, paga à vista. Existem federações no país que não possuem uma sede como a do SAFERGS”, constata. Foi também durante o seu período na presidência que teve início a informatização do SAFERGS. Flávio ressalta ainda que, cumprindo uma promessa de campanha, implementou o seguro de vida para a arbitragem, medida que mostrou ser oportuna pouco tempo depois, quando três árbitros faleceram durante o deslocamento para atuar em uma partida pelo campeonato gaúcho. O seguro foi pago imediatamente.

gilberto-dos-santos-cardosoGilberto dos Santos Cardoso, o Giba: “Foi uma gestão vitoriosa. De mudanças, avanços e continuidade”, relembra com voz pausada Gilberto dos Santos Cardoso, o Giba, que comandou o Sindicato de 1997 ao ano 2000. “Fui vice do Flávio de Abreu (1994/1997) e o que fiz foi apenas dar continuidade na política de aquisição de subsedes próprias, como a de Ijuí”, recorda. Além das melhorias físicas e investimentos para equipar a sede recém adquirida da capital, o seguro de vida aos árbitros foi consolidado. O período ficou marcado também pelo lançamento do uniforme da arbitragem gaúcha, um modelo próprio, inclusive com aplicação do logotipo do Sindicato no peito. “No resto do Brasil o fardamento era padrão. Era tudo igual. Só aqui era diferente. Aqui virou grife”, recorda com alegria o ex-presidente Giba. “Vivi muitos anos lá dentro. Hoje o Sindicato é uma coisa que vive dentro do meu coração”, arremata sem camuflar os sentimentos.

mocelin_web
José Mocellin presidiu o SAFERGS de 2000 a 2003. Na sua avaliação, duas atividades levadas na gestão contribuíram de maneira especial para o desenvolvimento da arbitragem do RS. “A primeira foi a pré-temporada que realizamos nas dependências da Ulbra, em Canoas, com todos os árbitros antes do início do campeonato de 2000. O trabalho foi realizado durante uma semana e ofereceu a todos os que seriam designados para apitar o Gauchão a oportunidade de uma preparação física com toda a estrutura – inclusive professores – que a Universidade Luterana nos cedeu. Também levamos autoridades em arbitragem com conhecimento da lei do jogo, na legislação esportiva e bambas da comunicação que proferiram palestras, orientações e esclarecimentos a todos os árbitros”, diz. “A conseqüência da pré-temporada foi que tivemos um campeonato gaúcho maravilhoso no que diz respeito a arbitragem”, releva Mocellin com orgulho. A segunda atividade que ele destaca foi a aquisição de cinco subsedes no interior do estado. “Apenas não conseguimos imóvel para a de Caxias do Sul. A partir daí tornou-se real a possibilidade de todos os associados do Sindicato se reunirem na sua própria casa todas as semanas, para confraternizar e discutir questões ligadas ao aprimoramento da arbitragem”, conclui José Mocellin.

pessi_historia

José Pessi presidiu o SAFERGS de 2003 a 2006. Neste período, avalia que uma das iniciativas mais positivas da sua administração, foi a união da categoria. “Considero que uma das coisas mais importantes levadas a efeito na gestão em que estive à frente do SAFERGS junto com os demais companheiros da minha diretoria, foi a aproximação do quadro de associados – os que pertenciam ao quadro da CBF, o grupo dos amadores… enfim, aqueles árbitros que estavam um pouco distantes do cotidiano do Sindicato. Conseguimos fazer com que eles se tornassem mais próximos e falassem todos a mesma linguagem. Entendo que foi exatamente a integração dos árbitros gaúchos o grande legado do tempo em que estive no comando do SAFERGS”, acredita Pessi.


carlos-simon

Carlos Eugênio Simon: foi presidente do SAFERGS de 2006 a 2009. Sobre sua gestão, ele destaca o estimulo ao desenvolvimento de várias áreas do Sindicato. Cita como exemplo, na comunicação, a criação e consolidação do jornal Marca da Cal e a página do SAFERGS na internet.. Carlos Simon nasceu no município de Braga (RS) em 3 de setembro de 1965. Formou-se jornalista pela PUC-RS em 1991, e é Pós-Graduado em Ciência do Esporte com especialização em futebol.. Nos 27 anos em que se dedicou à arbitragem de futebol integrou o quadro FIFA, apitou inúmeros jogos, inclusive finais, de competições regionais, nacionais e internacionais e trabalhou nas Copas do Mundo de 2002, 2006 e 2010.


ciro-camargo-3

Ciro Benck Camargo: presidiu o Sindicato de 2011 a 2013. Entre os princípios que pautaram sua gestão, Ciro destaca a melhoria e o ajuste dos serviços prestados ao associado, a ampliação do mercado de trabalho através da celebração de parcerias com prefeituras e agremiações esportivas do interior do estado, a reforma e modernização das instalações da sede do Sindicato e redução dos custos de sustentação da entidade. Ciro formou-se pela Federação Gaúcha de Futebol em 5 de setembro de 1980 e encerrou a carreira em 26 de janeiro de 1999, no jogo entre o Internacional e o Grasshopper, equipe da Suíça. Durante o período em que esteve em atividade, atuou em inúmeros jogos no circuito local, nacional e internacional.